Gestão de tesouraria e liquidez, para ter finanças sólidas

Gestão de Tesouraria Liquidez Finanças

O que já fizemos do nosso Plano de Negócios

Queremos, agora, abordar as formas de gestão de tesouraria correta, com o objectivo de termos sempre a liquidez necessária ao bom funcionamento das finanças da empresa.

Ou seja, ver quais os investimentos necessários, nomeadamente de fundo de maneio e como melhor o planear e gerir.

Escolhemos a restauração, como exemplo de projecto de negócio.

Assim, vimos o que se deve ter em conta para elaborar o modelo de negócio.

Analisamos a concorrência, para ter uma ideia das vendas ou proveitos do nosso empreendimento.

Calculamos o custo de produção dos diversos pratos da ementa.

Estimamos o custo de mão de obra e vimos quais as necessidades de fundo de maneio.

Resultado a que chegamos

O Resultado de Exploração (RE) no primeiro ano, é de 27.947€, conforme o quadro:

Resultado de Exploração, Ano 1
Resultado de Exploração

Sendo um resultado positivo, não damos por terminado o exercício de planeamento, pois podemos modificar algumas estratégicas para perceber o impacto no RE, por exemplo, se aumentarmos os encargos de pessoal.

Sem entrarmos em grandes detalhes, se os custos de pessoal aumentarem 10.000€ o RE continuaria a ser positivo.

Vamos continuar, sem esquecer que qualquer modificação nestes custos terá impacto no fundo de maneio e, consequentemente, na liquidez que é preciso ter em conta na gestão de tesouraria.

Para termos uma visão mais global é então preciso analisarmos o impacto do investimento, nas suas várias vertentes.

Finanças do Projecto

Vejamos então o quadro dos investimentos que consideramos necessários.

Investimento em Capital Fixo e Circulante
Investimento em Capital Fixo e Circulante

Assim, o capital inicial necessário ao projeto é de 37.781€, sendo 15.000€ para investirmos em ativos fixos, numa perspetiva de finanças de médio longo prazo e 5.000€ em despesas diversas amortizadas num só ano.

O fundo de maneio, também precisa de ser financiado, neste caso em 17.781€. São as necessidades de liquidez, de curto prazo.

Como fazer a Gestão de Tesouraria e melhorar a Liquidez

As necessidades de liquidez podem ser aumentadas ou diminuidas, conforme o risco que estamos dispostos a aceitar.

Se quisermos diminuir os riscos de colapso na tesouraria, devemos aumentar este fundo de maneio. Se estes 17.781€ estiverem planeados para um mês e se quisermos aumentar para 2 meses, o valor subirá para 35.562€.

Podemos no entanto, reduzir alguns custos por forma a dar mais folga à tesouraria e aumentar a liquidez. As nossas finanças agradecem!

Uma forma simplista de o reduzir, é manter os níveis de stock muito baixos. Mas neste negócio, queremos correr esse risco?

Por exemplo, em vez de comprarmos garrafas de vinho uma vez cada 2 meses, planeamos o abastecimento só para uma semana.

Assim, conseguimos aumentar a liquidez, mas corremos o risco de rotura de stock, reduzindo, com isso, a qualidade do nosso serviço, que pode ter consequências negativas nas vendas.

Por outro lado, será que o nosso fornecedor estará disposto a ir semanalmente abastecer-nos?

E se aumentarmos a frequência do abastecimento e reduzirmos a quantidade entregue em cada fornecimento, será que o preço se mantem?

Podemos aumentar os colaboradores, negociar melhor os preços de aquisição de produtos e serviços e, assim, diminuir os custos de matérias primas e os de fornecimentos e serviços externos.

Mas devemos manter uma estratégia cautelosa, para fazer face aos imponderáveis que certamente irão acontecer.

Uma eficiente gestão de tesouraria passa por definir claramente:

  • Prazo médio de recebimento dos clientes
  • Prazo médio de pagamento a fornecedores
  • Nível de stocks que pretendemos

Uma má Gestão de Tesouraria, traz Endividamento

Podemos, no entanto, em vez de só aumentar o fundo de maneio com recurso a capitais dos sócios, verificar junto da Banca, se é possível ter algum apoio para a tesouraria da empresa.

Por exemplo: definir um limite de crédito para utilizar em qualquer momento, para cobrir as flutuações que possam ocorrer na tesouraria. É claro que isso tem um custo, mas evita a utilização de capital dos sócios.

Outra hipótese é a utilização de cartão de crédito da empresa. Também tem um custo mas ajuda as finanças da empresa.

Quando se recorre a programas de apoio à tesouraria, a maior parte das vezes é por necessidades de fundo de maneio, ou seja, falta de liquidez na empresa para manter o normal fluxo de pagamentos e recebimentos. É um problema de curto prazo, que pode fazer perigar a empresa.

A falta de liquidez pode ocorrer quando, por exemplo, os clientes não estão a cumprir os prazos de pagamento ou os fornecedores resolveram diminuir os seus prazos de recebimento.

Ao invés, pode haver necessidade de financiamento de equipamento que a tesouraria não suporta. A liquidez é uma ótica de curto prazo, enquanto um investimento em ativos fixos é uma necessidade que se enquadra numa ótica de médio ou longo prazo.

Se necessitarmos de apoio bancário, teremos condições diferentes da ótica do curto prazo.

Liquidez a Mais

Se tiver muita liquidez, não é boa prática deixar ficar o dinheiro no Banco e nada fazer.

Pode aproveitar e renegociar descontos maiores com os fornecedores para liquidação antecipada das faturas.

Como avalia este artigo?

Clique numa estrela para o avaliar!

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

close

Junte-se a nós!
Seja feliz!

Visite a Página Facebook
Receba Newsletter por Email
Veja o nosso canal Youtube
Visite-nos no Twitter
Visite o Instagram