A Cidade de Aveiro, Canais, Moliceiros e Ovos Moles

Passeio de Moliceiro em Aveiro

Visitar Aveiro e navegar nos seus canais, fazer um passeio de moliceiro, comer os deliciosos ovos moles de Aveiro, conhecer as tradições através das histórias pela boca quer do cagaréu quer do ceboleiro. É uma experiência imperdível.

A Ria de Aveiro, irmã da Ria Formosa no Algarve, é uma região lagunar e a foz do Rio Vouga, com características particulares. Aqui se misturam a água salgada do mar com a água doce dos vários cursos de água que aqui desaguam.

Aveiro e as suas embarcações tradicionais

São várias as embarcações que navegam nos canais e na Ria de Aveiro, com diferentes caraterísticas, consoante a finalidade para que foram construídas.

O Moliceiro era utilizado para a apanha do moliço, espécies diversas de algas, que serviam para adubar as terras. É um barco muito elegante, com decoração colorida e referências humorísticas originais.

É um dos ex-libris de Aveiro, a par dos Ovos Moles.

Moliceiro e o cagaréu
Moliceiro

O Mercantel é uma embarcação utilizada tradicionalmente no transporte de sal, mas usado também para o transporte de areias, lamas e junco. Distingue-se pelo seu maior porte e decoração mais simples, menos exuberante.

A Bateira é um barco pequeno de fundo chato, costado baixo e formato fusiforme. Típico de Pateira de Fermentelos, uma lagoa natural entre Aveiro e Águeda, é movida por vara e utilizada na pesca e transporte de pessoas.

Passeio de Moliceiro pelos Canais e Ria de Aveiro

O passeio de Moliceiro começa e termina no cais junto da antiga da Capitania do Porto de Aveiro, também conhecida pela Casa dos Arcos.

Esta construção, inicialmente um moinho de maré, está ligada aos primórdios da fábrica de porcelana Vista Alegre e é, atualmente, a Assembleia Municipal de Aveiro.

Ao longo da viagem de moliceiro pelos canais podem apreciar-se alguns dos edifícios mais emblemáticos de Art Nouveau que a cidade oferece e, também, as salinas do tão precioso “ouro branco”.

A viagem é tanto mais interessante se, ao comando da embarcação, o nosso anfitrião for um cagaréu que vai pontuando as explicações sobre a cidade, com detalhes do quotidiano que lhe são tão próximos.

Cais dos Mercanteis e Ponte dos Botirões Bairro dos Cagaréus
Cais dos Mercanteis e Ponte dos Botirões

Os Cagaréus e os Ceboleiros

Há uma expressão popular que diz: “quem é de Aveiro ou é cagaréu ou é ceboleiro”. Até rima, como é habitual entre as expressões populares portuguesas.

O Bairro da Beira-Mar, Freguesia de Vera Cruz, situada a norte do canal central é habitado por gentes ligadas à Ria e ao Mar, pescadores, marnotos e moliceiros, que passavam a vida dentro da bateira, do moliceiro ou do mercantel. As necessidades fisiológicas acontecem quando menos se espera e obrigavam à utilização da ré da embarcação. Daí surgiu a expressão “cagar à ré” que deu origem à palavra cagaréu.

A sul do canal habitavam, na Freguesia de N. Sra. da Glória, os ceboleiros.

Era nesta zona que se efetuava o Mercado das Cebolas, zona dos descendentes dos mais antigos povoadores e dos mercadores.

Ovos Moles de Aveiro

Quem visitar Aveiro não pode deixar de saborear esta especialidade da doçaria conventual, os Ovos Moles de Aveiro.

Descobrir como se fazem e conhecer a sua história e propriedades é surpreendente. Para isso, na Oficina do Doce, poderá assistir a um workshop e inteirar-se de como esta receita foi preservada e chegou aos nossos dias.

Noutros tempos, as freiras usavam as claras dos ovos para tratar as roupas e para aproveitarem as gemas, conceberam este doce. Mas, como a quantidade de ovos moles produzidos era superior às suas necessidades de consumo, usavam-nos como meio de troca.

Mais tarde, algumas das pessoas recolhidas nos conventos e que não se mantinham para sempre em clausura, conhecendo o preceito da confeção dos ovos moles, ajudaram à sua divulgação, vendendo-os juntamente com outros produtos aveirenses.

Os Ovos Moles de Aveiro estão certificados com Indicação Geográfica Protegida (IGP) pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) sendo, por isso, obrigatório que a sua produção aconteça na zona de Aveiro.

Ovos Moles de Aveiro
Ovos Moles de Aveiro

Todos os que produzem e vendem Ovos Moles de Aveiro e usam esta designação têm de respeitar, com rigor, a receita original.

Os ovos podem não ser da zona, mas o processo tem de se manter igual à receita original, não havendo processos automatizados. Tudo tem de ser feito de forma artesanal, respeitando as origens.

Assim, quando saboreia um ovo mole, sabe que o seu conteúdo é sempre o mesmo, podendo contudo variar a frescura e, por isso, estar mais ou menos seco e o sabor ligeiramente diferente.

O prazo de validade dos Ovos Moles de Aveiro é de 15 dias e os mesmos não devem ser guardados no frigorífico, pois o frio altera a sua textura.

E quando a fome apertar, clique neste link para saber que restaurantes recomendamos.

De 1 a 5 estrelas, como avalia este artigo?

Clique numa das estrelas para o avaliar!

Gostariamos que o artigo tivesse sido do seu inteiro agrado.

Ajude-nos a melhorar!

Ficaremos muito gratos se nos der o seu contributo e torná-lo melhor.

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

pt Portuguese
X

Terminou a visita?

Já viu os temas que abordamos?

Não perca as novidades e receba em primeira mão os nossos artigos

Em qualquer momento pode cancelar a subscrição.

Obrigado e volte sempre.

Olá!

Benvindo

Junte-se a nós!

Registe-se e mantenha o contacto

Receba a newsleter por e-mail

Volte sempre!

Antes de nos deixar, veja as últimas publicações na nossa página de Facebook.

Obrigado pela visita