Praça do Comércio em Lisboa História da Cidade

Praça do Comércio em Lisboa e a História da Cidade

A Praça do Comércio, designada por Terreiro do Paço ou Paço da Ribeira nos tempos da realeza, é uma praça junto ao Rio Tejo na Baixa de Lisboa. A história de Lisboa é indissociável do Terreiro do Paço e da Praça do Comércio, designação adotada após o terramoto de 1755.

Tempo de leitura: 9 minutes

Os Fenícios em Lisboa

O Terreiro do Paço, inicialmente conhecido como a Ribeira das Naus, era uma zona submersa quando a cidade foi fundada pelos Fenícios.

Era um porto seguro para os fenícios poderem fazer o seu comércio.

Recentemente foram descobertas evidências arqueológicas durante as obras efetuadas no Palácio dos Condes de Coculim, bem perto da Praça do Comércio de Lisboa ou Terreiro do Paço.

No Museu existente no hotel agora aberto nesse antigo Palácio está uma estela com 73 centímetros de altura, com um texto funerário em fenício.

Uma prova do povoamento de Lisboa entre os séculos VIII e VII antes de Cristo.

Civillização Fenícia, o legado da escrita dos Fenicios
Civilização Fenícia, estela, o legado da escrita dos Fenícios

A mudança da Casa Real para a Ribeira das Naus

Com o passar do tempo a Ribeira das Naus deixou de estar submersa e foi-se tornando numa praia.

Adquiriu a configuração atual quando, em 1498, o Rei D. Manuel I decide construir um novo Palácio na zona da Ribeira das Naus.

A Corte deixaria assim o Paço da Alcáçova, no Castelo de S. Jorge, onde os reis portugueses habitaram durante cerca de 250 anos.

O antigo Paço da Alcáçova foi quase inteiramente destruído num terramoto que ocorreu em 1531. Ainda existem alguns vestígios desse Paço no interior das muralhas do Castelo.

Antigo Paço da Alcáçova Castelo de São Jorge Lisboa Fonte Roque Gameiro, Public domain, através da wiki Wikimedia Commons
Antigo Paço da Alcáçova, Castelo de São Jorge Lisboa. Fonte: Roque Gameiro, Domínio Público, através da Wikimedia Commons

Os principais estaleiros portugueses, chamados de tercenas nessa época, funcionavam na Ribeira das Naus.

Ribeira das Naus Museu do Azulejo Fonte RickMorais, CC BY-SA 4.0 httpscreativecommons.orglicensesby-sa4.0, via Wikimedia Commons
Ribeira das Naus, Museu do Azulejo. Fonte: RickMorais, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

Para o novo Paço da Ribeira se situar no local onde está hoje D. Manuel I decide, também, deslocar essas tercenas para a zona contígua a Ocidente do Palácio, com o objetivo de construir um novo estaleiro, mais funcional e com maior capacidade.

Foram criados novos edifícios para alojar toda a administração e logística naval, incluindo o Arsenal da Marinha e a Alfândega.

Nos dias de hoje se pode ver-se o local desses estaleiros, junto ao Ministério da Marinha, um pouco a Ocidente do Paço da Ribeira.

O Paço da Ribeira foi assim erguido sobre essas antigas tercenas de Lisboa.

Duas ribeiras, a de Valverde e a de Arroios desaguam num esteiro do Tejo. Foi necessário encanar essas duas ribeiras para se poder erguer o Palácio. Essa estrutura ainda hoje subsiste, longe dos nossos olhares, no subsolo da Baixa Pombalina.

A descoberta do caminho marítimo para a India e o incremento no comércio das especiarias do Oriente para a Europa revelou-se uma decisão estratégica para a Coroa estar mais perto, e melhor poder controlar o comércio marítimo.

O Paço da Ribeira está defendido por um Torreão sobre o Rio, o Torreão desenhado por Terzi.

Neste Torreão a Corte podia vigiar mais facilmente a entrada e saída de navios do porto de Lisboa.

No primeiro piso do Torreão funcionava a Casa da Índia, instituição criada por volta de 1503, que assegurava o monopólio Régio de navegação e o comércio desenvolvido com os novos territórios descobertos no século XVI.

Palacio da Ribeira Lisbon Século 18 Fonte Autor desconhecido Public domain, via Wikimedia Commons
Palácio da Ribeira, Lisboa Século XVIII. Fonte: Autor desconhecido Domínio Público, via Wikimedia Commons

Os bens e as especiarias armazenadas e licitadas pelos comerciantes de toda a Europa eram controlados, para a Coroa poder retirar o que hoje se chama de imposto.

Era também neste Torreão que existia a Sala dos Tudescos, onde se faziam os banquetes e festividades mais importantes da Corte portuguesa.

Palácio da Ribeira 1598 Fonte Georg Braun and Franz Hogenberg, Public domain, via Wikimedia Commons
Palácio da Ribeira, 1598. Fonte: Georg Braun e Franz Hogenberg, Domínio Público, via Wikimedia Commons

Com o estatuto económico e mercantil reforçado o Terreiro do Paço incorpora novas estruturas da Alfândega, o Arsenal da Marinha, a Casa da Índia, a Casa da Moeda e o Teatro da Ópera do Tejo inaugurado pouco antes do terramoto.

O Terramoto de 1755

O Paço da Ribeira foi completamente destruído pelo terramoto de 1755 e pelo devastador maremoto que se lhe seguiu.

Perderam-se então, e para sempre, os tesouros artísticos que foram aí acumulados durante os duzentos e cinquenta anos que a Corte aí viveu e que coincidiu com todo o período das descobertas.

Nessa destruição perderam-se os cerca de 70.000 volumes da Biblioteca do Paço, uma perda cultural comparável à destruição da Biblioteca da Alexandria.

Também o arquivo real com os documentos relacionados com a exploração dos oceanos, descobertas de locais, incluindo o descobrimento do Brasil foram perdidos.

Reinava na época D. José I, que teve de mudar juntamente com a Corte para o Alto da Ajuda, para um palácio feito de madeira e tela, local que passou a ser conhecido pelo nome de Real Barraca.

O Terramoto de 1755, pintado entre 1756-1792 por João Glama Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa, Fonte GualdimG, CC BY-SA 4.0 via Wikimedia Commons
O Terramoto de 1755, pintado entre 1756-1792 por João Glama, Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa. Fonte: Gualdim G, CC BY-SA 4.0 via Wikimedia Commons

A reconstrução e a transformação em Praça do Comércio de Lisboa

Era Secretário de Estado do Reino (Primeiro Ministro) de D. José I, Sebastião José de Carvalho e Melo, futuro Marquês de Pombal.

Este toma o encargo da reconstrução de Lisboa, formando a Casa do Risco das Obras Públicas onde coloca como coordenador o engenheiro-mor do Reino, Manuel da Maia. Eugénio dos Santos e Carlos Mardel eram dois dos seus diretos colaboradores.

Esta equipa apresentou três projetos de reconstrução ao futuro Marquês de Pombal para a área que vai do Terreiro do Paço ao Rossio.

O Ministro do Rei opta pela solução mais radical: arrasar a zona da Baixa de Lisboa e reconstruir os seus bairros.

A planta desenhada por Eugénio dos Santos apresenta uma nova cidade, com oito ruas no sentido norte-sul e entrecortadas por nove ruas, no sentido este-oeste.

A construção de casas fica sujeita a uma clara harmonia entre a largura das ruas e a largura e altura dos prédios.

Como a Bolsa do Comércio passaria para este local, referido num alvará de 1759, passou a designar-se por Praça do Comércio, o espaço central da burguesia mercantil e o novo centro do governo do País. A edificação da Bolsa de Comércio ficou a cargo dos comerciantes de Lisboa.

Paço da Ribeira em 1755 Fonte Zuzarte, Public domain, via Wikimedia Commons
Paço da Ribeira em 1755. Fonte: Zuzarte, Domínio Público, via Wikimedia Commons

No centro da Praça do Comércio foi implantada, em 1775, a estátua equestre de D. José I.

Grandes acontecimentos associados ao Paço da Ribeira e à Praça do Comércio em Lisboa

O Paço da Ribeira ficou associado a alguns acontecimentos, entre os mais marcantes da História de Lisboa e de Portugal.

Restauração da Independência

No dia 1 de dezembro de 1640, perante o povo que acorreu ao Terreiro do Paço, quarenta fidalgos portugueses destronam a dinastia de Habsburgo e aclamam a de Bragança.

É presa a Duquesa de Mântua e o Secretário de Estado Miguel de Vasconcelos é morto e atirado de uma janela do Palácio para o Terreiro.

Morte de Miguel de Vasconcelos Fonte Autor desconhecido, Public domain, através da wiki Wikimedia Commons
Morte de Miguel de Vasconcelos. Fonte: Autor desconhecido, Domínio Público, via Wikimedia Commons

Morte do Rei D. Carlos

O Rei D. Carlos e seu filho D. Luis Filipe foram assassinados em 1 de fevereiro de 1908.

Passavam pelo lado ocidental da Praça, com a Rainha Dª Amélia e o Principe Manuel, vindos de Vila Viçosa e a caminho do Paço das Necessidades.

O Regicídio Fonte Alberto de Sousa Illustração Portugueza, Public domain, via Wikimedia Commons
O Regicídio. Fonte: Alberto de Sousa, Ilustração Portuguesa, Domínio Público, via Wikimedia Commons

Revolução de 1910

A Praça do Comércio assistiu ao desembarque da Marinha no Cais das Colunas para ocupar lugares estratégicos na cidade.

A República é proclamada no dia 5 de outubro de 1910, na Praça do Município, também junto ao Terreiro do Paço e batizado como Praça do Comércio de Lisboa após a reconstrução Pombalina.

Proclamação República Portuguesa Fonte Joshua Benoliel, Public domain, via Wikimedia Commons
Proclamação República Portuguesa. Fonte: Joshua Benoliel, Domínio Público via Wikimedia Commons

25 de Abril de 1974

No dia 25 de Abril de 1974 foi nesta Praça que se assistiu a um dos episódios mais dramáticos e decisivos da queda do regime do Estado Novo.

O Capitão Salgueiro Maia, ao comando do Regimento de Cavalaria de Santarém, ocupa o Terreiro do Paço e enfrenta com sucesso a tentativa de reocupação das forças fiéis ao regime.

Terreiro do Paço 25 Abril 1974
Terreiro do Paço Lisboa, 25 Abril 1974

Pode ver neste vídeo uma recriação do terramoto de 1755.

Veja Também

De 1 a 5 estrelas, como avalia este artigo?

5 estrelas para a maior pontuação! Obrigado.

Como achou este artigo interessante...

Partilhe-o na sua rede social favorita!

Gostariamos que o artigo tivesse sido do seu inteiro agrado.

Ajude-nos a melhorar!

Ficaremos muito gratos se nos der o seu contributo para o tornar melhor.

Junte-se a nós

Gosta das questões e dicas que abordamos?

Receba as novidades diretamente na sua mailbox.

Subscreva o nosso blogue

Pode cancelar a subscrição em qualquer momento.

E se quiser voltar, ficaremos muito gratos!

logo Passaro no Ombro 250 x 143

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

pt Portuguese
X

Junte-se a nós!

Registe-se e não perca as novidades

Receba a newsleter semanal no seu e-mail

Junta-te a nós!

Não percas as novidades e recebe em primeira mão os nossos artigos

Em qualquer momento podes cancelar a subscrição.

Obrigado e volta sempre.

Obrigado pela visita!

Surpreenda-se com a nossa página de Facebook.

Volte sempre

Logotipo PO 100 x 100 png Pop Ups
Scroll to Top