Algarismo Zero

ZERO – O último algarismo a ser criado

No meu artigo ‘Inúmeros Números’ prometi que viria a falar sobre o algarismo zero, vou cumprir.

Tempo de leitura: 7 minutes

Algarismo Zero

Mas porquê falar do algarismo zero em particular? Bem, espero que a resposta venha a ficar clara no final deste artigo. Então, vamos!

Tenho a certeza que se alguém vos perguntar quais os factos que consideram mais relevantes para a evolução da Humanidade, as respostas, após alguma reflexão, apontarão seguramente para o domínio sobre o fogo e a invenção da roda, contudo vou atrever-me a acrescentar mais um: a criação do algarismo zero!

Descoberta do Fogo
Fogo
Roda
Roda
O novo algarismo zero
O novo algarismo zero

Até à criação do zero a Humanidade encontrava-se condicionada no modo de representar e contar quantidades. Basta pensar por exemplo na numeração romana onde o zero não está presente.

Texto indicando PUBLICIDADE

A criação do zero pode ser atribuída a várias civilizações pois, embora em diferentes momentos da História, foram diversas as contribuições de todas elas para se atingir o conceito que hoje temos sobre o zero.

Babilónia

Os babilónios, que viveram na Mesopotâmia, actual Iraque, utilizavam um sistema numérico posicional de base 60, sexagesimal, contudo, embora talvez tivessem sido os primeiros a chegar a uma noção de zero por volta de 2500 a.C., não dispunham de nenhum símbolo para o representar, simplesmente deixavam um espaço em branco no seu lugar.

P.S.: Um sistema numérico diz-se ’posicional’ quando o valor de cada algarismo depende da posição que ocupa, por exemplo, no número 777 o 7 da esquerda vale 700, o 7 do meio vale 70 e o 7 da direita vale 7.

Maias (América Central e América do Sul)

Por volta dos séculos IV e III a.C., os maias desenvolveram uma representação para o nada. O seu sistema de numeração era vigesimal (de base 20) e consistia numa composição de traços e pontos, apresentando duas representações para o zero (uma para compor os números e outra para ser usada na construção dos seus famosos calendários). O conceito de nada era tão relevante para os maias que lhe dedicaram uma divindade específica, o deus Zero, o deus da Morte.

Grafia dos Números Maias e o algarismo zero
Grafia dos Números Maias

Grécia

Apesar dos avanços na geometria e na lógica, os gregos pura e simplesmente nada pensavam acerca do zero, era-lhes inconcebível considerar uma representação para o vazio. Aristóteles (384 a.C. – 322 a.C.) considerava que a Natureza tinha horror ao vácuo. Os gregos optaram por seguir o sistema sexagesimal babilónio sem qualquer símbolo para a representação do zero. Apenas mais tarde, por volta do ano 500, surgem textos gregos que usam a letra ómicron (a primeira letra da palavra ‘oudem’ que significa ‘nada’) para representar o zero.

Texto indicando PUBLICIDADE

Roma

Os romanos (tal como os gregos, os egípcios e os hebreus) não conheciam o zero. A numeração romana foi criada para efectuar contagens não havendo, por isso, necessidade de introduzir o zero (se não há nada para contar, não se conta). Além disso, a numeração romana não é uma numeração posicional (como, por exemplo, a numeração decimal hindu-arábica que normalmente utilizamos). Com a numeração romana é possível representar números que incluem o algarismo zero sem ser necessário que o zero exista, por exemplo, 100 representa-se por C.

China

Os chineses também não dispunham de nenhum símbolo para o zero, quando queriam mostrar que não havia valor, deixavam um espaço em branco, opção semelhante à dos babilónios.

Índia

Foram os hindus que criaram o sistema de numeração posicional de base 10 (com 10 algarismos diferentes) tal como hoje utilizamos, porém, quando precisavam de representar, por exemplo, o número 205, a posição do meio ficava vazia, adoptando a mesma opção dos babilónios. Foi perante este facto que resolveram criar um símbolo que representasse esse vazio ao qual chamaram ‘sunya’ que em sânscrito significa, precisamente, ‘lacuna’, ‘vazio’, ‘deserto’, ‘estéril’.

A adopção do zero como o décimo algarismo posicional está documentada desde o século VII por Brahmagupta (matemático e astrónomo indiano), embora um documento mais antigo, o Manuscrito Bakhshali, escrito por volta do século V, já incluísse este algarismo sob a forma de um pequeno ponto. Existem numerosos documentos indianos, a partir do século VI, em placas de cobre, que contêm o mesmo símbolo para o zero.

Manuscrito Bakhshali
Manuscrito Bakhshali

Árabes

A maioria dos historiadores coincide em afirmar que os algarismos arábicos ou hindu-arábicos tiveram a sua origem na Índia, de facto, no árabe, este sistema de numeração que é chamado de “números indianos”, expandiu-se pelo mundo islâmico, tendo chegado ao Médio Oriente por volta de 670. Há alguma evidência que sugere que os números na sua forma actual foram desenvolvidos a partir de letras árabes nas regiões ocidentais do mundo árabe, assumindo formas distintas dos indianos e dos orientais.

Europa

No ocidente, as primeiras menções dos actuais algarismos encontram-se no Codex Virgilianus, de 976.

A partir de 980 Gerberto de Aurillac (que viria a ser o Papa Silvestre II), fez uso do seu poder papal para difundir o conhecimento do sistema hindu-arábico na Europa. Silvestre II, que na sua juventude tinha estudado em Barcelona, teve acesso, no século XII, a traduções para o latim da obra do matemático persa al-Khwãrizmi (780 – 850), sobre os numerais indianos (Kitab al-Jabr wa-l-Muqabala), que apresentaram a notação posicional decimal para o Mundo Ocidental.

Na Europa a definição do símbolo para o zero ocorreu durante a Idade Média na sequência da aceitação dos algarismos arábicos divulgados por Leonardo Fibonacci (Pisa, c. 1170 – Pisa, c. 1250). A incorporação da representação gráfica do zero no sistema decimal hindu-arábico demorou 400 anos.
O algarismo evoluiu de um vácuo para um espaço em branco, para um caracter específico e, finalmente, transformou-se num símbolo numérico usado pelos hindus e pelos árabes antigos.

Ao contrário do que se poderia pensar, os nossos números actuais desenvolveram-se a partir dos símbolos usados pelos indianos embora muitas vezes o actual sistema seja apenas designado por ‘numeração árabe’.

Algarismo Zero. Forma e sequência da grafia medieval dos algarismos arábicos que aparecem na página de título do Libro Intitulado Arithmetica Practica, de Juan de Yciar
Forma e sequência da grafia medieval dos algarismos arábicos que aparecem na página de título do Libro Intitulado Arithmetica Practica, de Juan de Yciar

No início dos anos 1600 deu-se nova alteração importante na representação gráfica do zero, inicialmente era pequeno e circular ‘o’, tendo evoluído para o actual formato oval ‘0’ permitindo distingui-lo quer da letra minúscula ’o’ quer da letra maiúscula ‘O’.

Nos dias de hoje o zero tem uma importância relevante ao ser largamente utilizado em programação informática e em muitas outras actividades científicas.

Em resumo

Apesar do algarismo zero continuar a significar nada, a realidade é que, sem ele, muito pouco na sociedade funcionaria convenientemente

Sem dúvida a invenção do zero foi uma das maiores odisseias intelectuais da Humanidade!

Veja também

How useful was this post?

Click on a star to rate it!

As you found this post useful...

Follow us on social media!

We are sorry that this post was not useful for you!

Let us improve this post!

Tell us how we can improve this post?

2 thoughts on “ZERO – O último algarismo a ser criado”

  1. Adorei! Muito interessante e educativo. Como adoro História e Matemática, estes artigos são os meus favoritos.
    Mais uma vez Parabéns!
    Um beijinho,
    Inês

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Política de Privacidade          Termos e Condições

Scroll to Top