Dieta Mediterrânica e Dieta Atlântica

Compreender a diferença entre a Dieta Mediterrânica e Atlântica

O que é a dieta mediterrânica ou mediterrânea e a dieta Atlântica? O que têm em comum e as suas diferenças? Qual será a melhor dieta?

Essas são perguntas que muitas pessoas fazem quando procuram uma alimentação saudável e equilibrada. Neste artigo, vamos explicar o que são essas duas dietas, quais as suas origens, quais são os seus benefícios para a saúde e como escolher a melhor opção.

Tempo de leitura estimado: 6 minutes

Dieta Mediterrânica

A dieta mediterrânica ou mediterrânea é um padrão alimentar baseado nos hábitos dos povos que vivem nas regiões banhadas pelo mar Mediterrâneo, como Grécia, Itália, Espanha, Marrocos e outros países com hábitos similares como Portugal, Chipre e Croácia.

Caracteriza-se estas dieta pelo consumo de alimentos frescos e sazonais, como frutas, legumes, verduras, cereais integrais, leguminosas, oleaginosas, peixes, marisco, queijos e iogurtes. A carne vermelha é consumida com moderação e o vinho tinto é apreciado às refeições.

Além disso, a dieta mediterrânica valoriza o convívio à mesa, o prazer de comer e a cultura gastronómica local.

Também privilegia a atividade física regular.

Dieta Mediterrânica
Dieta Mediterrânica
Texto indicando PUBLICIDADE

A dieta mediterrânica surgiu nos anos 60 e 70 do século XX, quando o médico e investigador americano Ancel Keys estudou os hábitos alimentares das populações do sul da Europa e descobriu que elas tinham uma menor incidência de doenças cardiovasculares, cancro, obesidade e outras patologias crónicas do que os habitantes das sociedades mais desenvolvidas.

Desde então a dieta mediterrânica tem sido reconhecida como um modelo de alimentação saudável e sustentável, tendo sido declarada Património Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO em 2013.

Dieta Atlântica

A dieta Atlântica é um padrão alimentar baseado nos hábitos dos povos que vivem nas zonas da região Atlântica Europeia, como Portugal, algumas regiões de Espanha, parte da França, Irlanda, Reino Unido, Bélgica, Holanda, Dinamarca, Noruega e Islândia.

É um padrão alimentar que se caracteriza pelo consumo de alimentos típicos da costa atlântica, como peixes (sobretudo sardinha), crustáceos (como mexilhões e amêijoas), moluscos (como lula e polvo) algas (como o nori que é rica em proteína, cálcio, ferro, vitamina A, B e C), leite e derivados (como manteiga e queijo), carnes vermelhas (como porco e vaca), cereais (como milho e centeio), legumes (como couve e nabo), batata, castanha e frutas (como maçã e pera).

A cozedura é o método de confeção mais usado, especialmente nas sopas.

A gordura de eleição é o azeite, utilizado para temperar e cozinhar.

Prática diária de atividade física é uma das características da dieta atlântica.

Dieta Atlântica
Dieta Atlântica
Texto indicando PUBLICIDADE

A Dieta Atlântica surgiu há mais de duas décadas como uma alternativa à dieta mediterrânica, que era considerada mais popular e difundida.

Após ter surgido o conceito de Dieta Atlântica no Congresso realizado na Galiza em 1999 “Decálogo Xacobeo sobre a alimentação do século XXI”, algumas instituições e organizações de Portugal e Espanha uniram-se com o objetivo de divulgar os benefícios da dieta Atlântica para a saúde e para o ambiente.

A dieta Atlântica tem sido associada a uma menor prevalência de doenças cardiovasculares, cancro, obesidade e diabetes.

Características das dietas Atlântica e Mediterrânica

As duas dietas têm em comum o consumo de alimentos naturais e locais, variados e ricos em nutrientes essenciais para o organismo.

Ambas privilegiam o consumo de peixes e marisco como fontes de proteína animal e de ácidos gordos ómega-3, que têm propriedades anti-inflamatórias e protetoras do coração.

Ambas incluem também, o consumo moderado de vinho tinto como fonte de antioxidantes.

Além disso, respeitam as tradições culinárias das regiões onde se originaram e valorizam a qualidade dos alimentos em detrimento da quantidade.

Em ambos os casos há a prática de uma culinária simples e a partilha de refeições enquanto atividade social.

Dieta Atlântica Pirâmide Alimentar
Dieta Atlântica Pirâmide Alimentar

As principais diferenças entre as duas dietas estão nos tipos de cereais, legumes e frutas consumidos.

A dieta mediterrânea usa mais o trigo como base dos pães e massas, enquanto a dieta Atlântica usa mais o milho e centeio.

A dieta mediterrânea consome mais leguminosas, como feijão, grão-de-bico e lentilhas, enquanto a dieta Atlântica consome mais couve, nabo, batata e castanha.

A dieta mediterrânica inclui mais frutas cítricas, como laranja, limão e toranja, enquanto a dieta Atlântica inclui mais frutas de clima temperado, como maçã, pera e ameixa.

Pirâmide da Dieta Mediterrânica Fonte Fundación Dieta Mediterránea
Pirâmide da Dieta Mediterrânica; Fonte: Fundación Dieta Mediterránea

Qual é a melhor dieta?

Não há uma resposta única para essa pergunta, pois cada pessoa tem as suas necessidades, preferências e objetivos nutricionais.

O ideal é escolher uma dieta que se adapte ao estilo de vida, ao paladar e ao bolso de cada um.

O mais importante é seguir alguns princípios básicos que são comuns às duas dietas: comer alimentos frescos e variados, evitar alimentos processados e industrializados, moderar o consumo de sal, açúcar e gorduras saturadas, beber água com regularidade, mastigar bem os alimentos, comer devagar, respeitar os sinais de fome e saciedade do corpo e desfrutar da comida com prazer e em boa companhia. Manter uma atividade física diária.

No Estudo de Adesão ao Padrão Alimentar Mediterrânico de 2020 da Direção-Geral da Saúde, apenas 26% da população tem uma elevada adesão à Dieta Mediterrânica, possivelmente pela incorporação de hábitos alimentares provenientes de outros continentes, fruto da globalização e da forte publicidade que leva as pessoas a mudarem os seus padrões ancestrais.

Internacionalização

A PortugalFoods em parceria com a Porto Business School elaborou o documento Estratégia de Internacionalização do Sector Agroalimentar (2019-2021) onde se conclui que para Portugal a estratégia não deve ser a de se posicionar na liderança pelo custo mas, pelo contrário, diferenciar-se pela qualidade, singularidade e segurança dos seus produtos alimentares.

No curto prazo e para os mercados mais longínquos, em particular os asiáticos, Portugal deve posicionar-se com a Dieta Mediterrânica, pois é mais conhecida.

No entanto, para se diferenciar dos países concorrentes como a Grécia, Espanha, França e Itália, e para atingir mercados mais próximos geograficamente como a Europa Ocidental ou culturalmente como os Países de Língua Portuguesa ou da diáspora lusitana, a estratégia deverá procurar afirmar a sua diferenciação nos produtos, hábitos culinários e costumes específicos da sua influência Atlântica, que os concorrentes não possuem.

A PortugalFoods refere a nossa particularidade dietética como “Atlantic meets Mediterranean” a sua forma original de comunicar a singularidade do setor agroalimentar português.

Veja também

How useful was this post?

Click on a star to rate it!

As you found this post useful...

Follow us on social media!

We are sorry that this post was not useful for you!

Let us improve this post!

Tell us how we can improve this post?

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Política de Privacidade          Termos e Condições

Scroll to Top