Veículos elétricos e a hidrogénio verde

Veículos Elétricos e a Hidrogénio Verde, quais as eficácias?

Ambos os veículos, elétricos e a hidrogénio verde, são elétricos tendo em conta a sua motorização. A diferença é como a energia elétrica chega ao motor e também como os processos de produção de hidrogénio verde e das baterias afetam os custos e a eficiência destes carros elétricos.

Tempo estimado de leitura: 7 minutes

Veículos elétricos e a hidrogénio verde, as diferenças

No veículo elétrico a bateria (VEB) o motor é alimentado pela carga elétrica que está armazenada numa bateria de grande dimensão e normalmente de lítio, tem de ser recarregada utilizando a rede elétrica. Existem já muitos postos de carregamento em Portugal, nos locais habituais do abastecimento de combustível, na via pública e em parques de estacionamento, o que acelera a venda de carros elétricos, que já atingiu os 40% em Portugal.

Veículo elétrico a bateria VEB; Fonte AFDC
Veículo elétrico a bateria VEB; Fonte: AFDC, Alternative Fuels Data Center

Um carro elétrico com célula a combustível de hidrogénio (VECCH) produz a sua própria eletricidade a partir de reação química, que ocorre na célula alimentada a hidrogénio (H2).

Assim, os veículos a hidrogénio verde que estão em desenvolvimento são de facto elétricos, pois o motor que o faz mover é elétrico.

As células de combustível ou “Fuel Cell” têm hidrogénio que, ao reagir com o oxigénio do ar, resulta em eletrões (fluxo elétrico) alimentam o motor elétrico e a bateria de alta voltagem da viatura.

Estas baterias são mais pequenas do que as dos carros elétricos e são utilizadas na fase de arranque do veículo, bem como nos momentos em que se atingem picos de potência (Fonte: Hyundai). Consomem cerca de 1 kg de hidrogénio por cada 100 km (Fonte: EDP) e a velocidade a que se consegue abastecer um depósito de hidrogénio (cerca de 5 a 6 Kg) é similar à que leva a abastecer um veículo com motor de combustão. A autonomia desse depósito de hidrogénio é, por isso, superior à das baterias elétricas.

Texto indicando PUBLICIDADE

O grande problema é que o reabastecimento público de hidrogénio é praticamente inexistente.

O hidrogénio já é utilizado há várias décadas no setor industrial, embora seja produzido a partir de combustíveis fósseis e, por isso, ser designado hidrogénio cinzento. Quando é produzido a partir de gás natural, em que o CO2 resultante do processo é retido e armazenado, chama-se hidrogénio azul.

São exemplos da aplicação do hidrogénio na indústria química a produção de amónia, essencial para o fabrico de fertilizantes e o fabrico de aço em siderurgias, uma das maiores fontes de poluição no Mundo.

Veículo elétrico com célula a combustível de hidrogénio VECCH; Fonte AFDC
Veículo elétrico com célula a combustível de hidrogénio VECCH; Fonte: AFDC, Alternative Fuels Data Center

A maior parte dos fabricantes apostam no desenvolvimento dos veículos elétricos – VEB, mas há duas marcas que se destacam nos VECCH , a Toyota (com o Mirai) e a Hyundai (com o Hyundai Nexo SUV).

Outro caminho para a descarbonização dos veículos é o da substituição dos combustíveis fosseis, gasóleo e gasolina, por combustíveis sintéticos. Contudo, ainda não é possível uma produção económica destes combustíveis.

O investimento, quer em novas tecnologias quer no refinamento das tecnologias existentes, fará com que o custo vá descendo e as torne mais atrativas.

A produção de hidrogénio verde diferencia-se dos outros por utilizar energias renováveis, como a solar, eólica ou hídrica e a água como fonte de combustível. A investigação para a utilização da água do mar está em curso já que a água é, em muitas zonas, um recurso escasso.

Além disso, os incentivos financeiros e fiscais que os governos entendam avançar poderá ajudar a encontrar soluções mais sustentáveis e económicas.

Texto indicando PUBLICIDADE
Processo de produção de hidrogénio verde
Processo de produção de hidrogénio verde; Fonte: Earth Justice

O hidrogénio verde, além das vantagens de sustentabilidade e independência energética, pode ser transportado a longas distâncias, ser armazenado e ser em parte uma alternativa ao gás natural.

O custo de carregamento das células de hidrogénio é muito elevado comparado com o de carregamento das baterias. Em grande parte esta diferença está relacionada com os custos envolvidos no transporte.

A eficiência dos processos

Os níveis de eficiência das duas tecnologias são, ainda, muito diferentes. Mesmo considerando o hidrogénio verde, o único que garante a neutralidade carbónica por ser produzido com energias renováveis, tem atualmente um custo de produção de cerca de 4,20€/kg (Fonte: Ricardo Neves, Jornal ECO).

Em alguns estudos, nomeadamente Automotive Industry 2035 – Forecasts for the Future, o hidrogénio é considerado como uma boa alternativa energética, em particular para o transporte coletivo e de longa distância, rodoviário, ferroviário, marítimo e aéreo. Serão críticos os custos de produção e armazenagem, bem como a disponibilidade da rede de distribuição.

Os veículos a hidrogénio apresentam vantagens em relação aos elétricos no que respeita ao peso das viaturas, por não terem baterias de grande dimensão e não perderem a autonomia em climas mais frios.

O Hydrogen Council estima que a procura de hidrogénio aumente 14 vezes até 2050.

O transporte marítimo de Gás Natural Liquefeito (GNL) enfrenta atualmente vários desafios para o transporte de hidrogénio líquido a granel (LH2). Desde logo, o baixíssimo ponto de ebulição do hidrogénio (-252ºC) introduz complexidade na segurança do transporte. Um dos problemas de segurança é o chamado “boil-off”, ou seja, a libertação de hidrogénio dos depósitos com o consequente aumento de temperatura. Essas perdas no transporte de hidrogénio são muito superiores ao GNL. Além das necessidades energéticas para liquefazer o hidrogénio serem, também, muito superiores à energia necessária para liquefazer o gás natural.

Também, o hidrogénio tem uma densidade de energia muito menor que a do GNL, cerca de 40% menos. Isto obrigará a ter mais 2,5 navios de LH2 para transportar a energia equivalente transportada num navio de GNL.

Uma das últimas descobertas vem da Austrália, da Universidade Deakin, onde se conseguiu que o hidrogénio ficasse retido num pó, de nitreto de boro. A ser viável este processo a uma escala industrial, o mesmo permitirá armazenar e transportar o hidrogénio de forma mais fácil, à temperatura e pressão ambiente. Mais tarde, para o utilizar, basta aquecer o pó a 200ºC para o hidrogénio se libertar.

Ainda, onde for possível, o transporte através de condutas será mais económico.

A grande desvantagem atual da tecnologia do hidrogénio verde é a sua baixa eficiência, bem como os elevados custos.

Eficiência dos processos produção de hidrogénio verde e energia elétrica; Fonte Volkswagen
Eficiência dos processos produção de hidrogénio verde e energia elétrica; Fonte Volkswagen

Assim, com os veículos elétricos a bateria, só 8% da energia é perdida durante a logística de transporte até aos locais de carregamento das baterias. Quando a energia elétrica é convertida para o motor perdem-se mais 18% de energia. Por isso, a eficiência deste tipo de veículo é de cerca de 70 a 80%, muito superior à eficiência dos motores de combustão, de cerca de 30% (Fonte: Volkswagen).

Ao invés, os desperdícios no processo de produção e logístico do hidrogénio verde são muito elevados, pois na produção deste, a partir da eletrólise da água, 45% da energia é perdida.

Dentro do veículo são perdidos mais 55% quando se dá a transformação do hidrogénio em energia. Isto significa que a eficiência global dos veículos a hidrogénio (VECCH) é da ordem de 25% a 35% (Fonte: Volkswagen).

Novas tecnologias

A Volkswagen, em parceria com a Kraftwerk, desenvolveu uma nova tecnologia que permite à célula de hidrogénio verde ter uma autonomia de 2.000 Km.

Como referimos a célula de combustível converte o hidrogénio em eletricidade, utilizando um cátodo e um ânodo.

O hidrogénio (H2) é encaminhado pelo ânodo e passa por uma membrana eletrolítica, que o divide num protão e num eletrão. O eletrólito leva-os por caminhos diferentes, o eletrão vai por um circuito criar o fluxo elétrico (eletrões) que fazem o motor trabalhar e os protões passam pelo cátodo, onde se unem ao oxigénio para produzir água e libertar calor.

Funcionamento carro elétrico a hidrogénio verde; Fonte AFDC Alternative Fuels Data Center
Funcionamento carro elétrico a hidrogénio verde; Fonte AFDC, Alternative Fuels Data Center

Neste processo a inovação da Volkswagen e Kraftwerk, traduz-se na utilização de uma membrana eletrolítica de cerâmica, em vez do plástico que é o material que tem sido utilizado, tornando este processo mais económico.

Os carros elétricos tanto poderão ser movidos por baterias quer por hidrogénio. O futuro o dirá!

How useful was this post?

Click on a star to rate it!

As you found this post useful...

Follow us on social media!

We are sorry that this post was not useful for you!

Let us improve this post!

Tell us how we can improve this post?

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Política de Privacidade          Termos e Condições

Scroll to Top